Início » Quem diria? Suricate assassino!
Biologia

Quem diria? Suricate assassino!

Como cinéfilo que sou tentei e consegui imprimir na minha filha a mesma paixão. Ela também adora cinema. Muita gente de verdade gosta, mas nós aqui de casa adoramos.

O primeiro filme no cinema que ela assistiu foi “O Rei Leão” da Disney. Ela era bem pequena, já falava, e acompanhou com muita atenção e compreensão o filme. Tanto que nas cenas em que Simba retorna para a pedra do rei, e encontra sua terra arrasada, pelo desequilíbrio causado por Scar e as hienas, ela chorou. Chorou muito!

Nessa animação é apresentado para o grande público o Suricate, ou Suricato, ou ainda Suricata (Suricata suricatta), o personagem Timon, amigo de Pumba, o porco selvagem (ou javali).

Claro que os roteiristas e desenhistas da Disney desejam que seus personagens inspirem emoções. O Timon é um suricate, que é um animal bem menor do que apresentado na animação. Um suricate adulto tem no máximo 28 cm. Menor que uma régua escolar. Se ele estiver sobre quatro patas fica perigoso pisar neles. Eles existem basicamente no sul do continente africano.

Mas em 2016 um trabalho publicado na prestigiosa revista Nature que trata de um levantamento experimental feito por José Maria Gómez, da Universidade de Granada, na Espanha, verificou que a espécie mais assassina entre os mamíferos é justamente o suricate. O resumo do artigo pode ser visto gratuitamente em https://www.nature.com/articles/nature19758#author-information

Quase um em cada cinco suricates são mortos por outros suricates, principalmente quando são jovens. O estudo analisou mais de mil espécies mamíferas e é o primeiro estudo aprofundado sobre violência no mundo mamífero.

Ainda que fiquemos impressionados de como nós humanos nos matamos, o fato é que o nosso modo de vida civilizado, que por vezes é bastante ironizado, nos salva de nós mesmos.

O mesmo não podemos dizer claro de ursos ou tigres. Mas os mamíferos mais assassinos são os suricates, em primeiro lugar, com um índice de mortalidade em 19,36%; os macacos de rabo vermelho, em segundo lugar, com 18,18% e em terceiro os macacos azuis, com 17,7%. De qualquer forma nossos primos ocupam altas posições. Isso trouxe repercussão na mídia em geral, como pode ser visto em https://www.mnn.com/earth-matters/animals/blogs/meerkats-are-most-murderous-mammal-in-new-ranking ou mesmo em https://www.megacurioso.com.br/biologia/100574-e-o-mamifero-que-mais-assassina-membros-da-mesma-especie-e-o-suricate.htm

Os leões só vão aparecer em nono lugar, com 13,07% de mortandade. Detalhe: Os tigres nem aparecem na relação dos 30 primeiros, onde o urso marrom está na trigésima posição. Onde aparece a chinchila, na décima quarta posição.

Os primatas de fato aparecem no topo da tabela e por isso herdamos essas características assassinas. Claro que não é para justificarmos nossa capacidade de assassinar, mas explica em parte. Mas mesmo entre os símios existem diferenças. Chimpanzés são bem mais agressivos que os bonobos.

A equipe de Gómez se debruçou pelos dados de 600 populações humanas desde 50000 AEC até os dias atuais. Nosso percentual de mortalidade por assassinato ficou entre 3,4% e 3,9%. Os ursos marrons, no trigésimo lugar, tem um índice de 9,72%. Somos bem tranquilos. Ainda que na Idade Média esse índice chegou a 12%, o que nos colocaria no décimo terceiro lugar. Junto da chinchila.

A partir de agora reflita bem sobre nossa civilização. As grandes cidades matam. Nós matamos? Sim. Mas muito menos que outras espécies. Já matamos mais? Sim. Melhorou? Sim, melhorou, principalmente quando passamos, veja só, a viver em cidades grandes. Quando nos tornamos mais civilizados, mas acostumados a viver em grandes grupos. Em números absolutos estamos matando mais, mas menos em termos percentuais.

E mais um detalhe. Os outros mamíferos cometem muitos infanticídios, enquanto que nós humanos matamos mais adultos.

Sobre o autor

Sérgio Sato

Sérgio Sato

Professor universitário há 35 anos de Física e Matemática. Avaliador no INEP/MEC. Motociclista. Entusiasta do conhecimento.

Comentários

Clique aqui para adicionar um comentário

  • Prezado Prof. Sérgio! Muito obrigada por compartilhar esse conhecimento sobre os suricatos.

    Essa informação sobre essa espécie é surpreendente para mim, pois realmente não tinha a mínima ideia a respeito desses dados… Sempre olhei esses animais de uma forma totalmente contrária, achei que fossem dóceis…

    Como são animais constantemente expostos a perigos em seu habitat, até por serem pequenos, certamente devem ter desenvolvido essa personalidade mais agressiva para se defenderem do ataque de predadores, o que acabou por torná-los agressivos até entre eles.

    Esse conhecimento trazido aqui de forma brilhante por você, nos faz mais uma vez pensarmos e refletirmos sobre a majestade que ronda a natureza, que sempre nos surpreende em vários detalhes. E da mesma forma, nos traz a consciência de como é fundamental sempre buscarmos conhecimento, como ferramenta primordial na nossa própria evolução como espécie.

    Parabéns pela matéria e muito obrigada pelo aprendizado.

    • Eu é que agradeço você Vera por ter dedicado alguns minutinhos de sua vida, sempre corrida, como a de todos nós, para meu post. Também fiquei impressionados com os dados, pois obviamente quando me perguntavam qual era a espécia mais violenta minha resposta naturalmente era a nossa própria. Valeu Vera. Continue participante.

%d blogueiros gostam disto: